“Elegante” é um dos melhores elogios à Trek Domane+ SLR 6, aquela que é quase de certeza a e-road mais eficiente e rápida do catálogo desta marca norte-americana. E fazemos-lhe este lisonja por duas razões acima das outras: pelo bom aspeto desta elétrica de estrada, muito refinada; e pelo pouco ruído que o reconhecido motor TQ emite.

PUB
TrekFest 2024

Há uns tempos andámos com a Trek Domane SLR “normal”, sem assistência elétrica e ficámos com a mesma impressão: esta bicicleta está muito bem conseguida ao nível do quadro em carbono OCLV 800 Series, “encaixando” muito bem no corpo do ciclista tanto a andar na estrada como em alguns caminhos de gravilha pouco “exigentes”.

Claramente endurance, é mais confortável do que é racing. E isso torna-a boa opção para darmos umas longas voltas em passeio, isto sem esquecermos que esta Trek também consegue acelerar bem quando é preciso. Não fosse ela elétrica…

Motor TQ-HPR50 de 50 Nm

E é por aí que começamos, até porque já conhecemos o motor TQ-HPR50 da fantástica Trek Fuel EXe com que andámos há uns tempos. Potente q.b., com 50 Nm, mas muito silencioso graças à tecnologia harmonic pin ring. E suave, além de ser bastante discreto e compacto.

PUB
KTM

É que esta Domane + SLR 6 pode enganar até os mais atentos, uma vez que o motor é bastante compacto e está bem integrado no quadro, zona do pedaleiro. E as performances podem colocar em sentido outros propulsores mais conceituados, pois a relação entre desempenho, peso e autonomia não nos parece nada má.

Nota para a bateria integrada, com 360 Wh que nos dão energia para uma boa volta de toda a manhã, com comandos discretos montados nas manetes, que permitem navegar entre os modos de assistência à pedalada.

Em média, registámos cerca de 100 kms em modo Eco.

Há ainda a possibilidade de usar um Range Extender de 160 Wh no suporte do bidon (vendido em separado), algo que nos permitiu dar voltas a chegarem aos 150 kms.

PUB
KTM

Basicamente, quase parece que o downtube se “funde” no motor, estando este tapado pelo pedaleiro. Depois, no top tube está um pequeno e discreto “retângulo digital” com as funcionalidades do motor, e nada mais se nota quanto a elementos que indiciam que esta é na verdade uma e-bike.

A ligação para carregamento , o ecrã integrado elegante e os controlos discretos fazem com que pareça uma bicicleta de estrada tradicional…

A dinâmica da Trek Domane +

Por aproximadamente 7.500 euros temos aqui acesso a uma bicicleta de topo e com uma dinâmica incrível, com as subidas a tornarem-se zonas de prazer e conseguirmos chegar a locais mais depressa do que alguma vez pensámos. A magia das e-bikes de estrada…

Curiosamente, testámos esta Trek onde habitualmente testamos bicicletas de estrada convencionais, pelo que encontrámos os mesmos amigos. E os comentários são sempre engraçados ao verem o quão rápido vamos… Estes momentos são demonstrativos de que a Domane + SLR 6 passa despercebida e que permite a que qualquer perfil de ciclista consiga subir qualquer serra…

PUB
KTM

Já conhecemos bem a dinâmica deste quadro na versão normal, algo que torna a bicicleta precisa, muito confortável e leve. Uma “máquina” em que dá vontade de andar e na qual os kms passam sem nos apercebermos. Aqui, na versão elétrica, por assim dizer, estes critérios mantêm-se.

Talvez a e-road da Trek mais leve até agora, devido à especificidade do carbono OCLV 800 Series utilizado, com uma geometria que proporciona uma posição bastante ergonómica, nada cansativa.

Visitar a Serra do Socorro, a Serra de Montejunto e a Serra da Archeira, todas as elas na região Oeste, numa manhã de treino, a andar bem, foi uma verdadeira brincadeira de crianças!

Na parte traseira da bicicleta, o sistema IsoSpeed trabalha na tentativa de absorver as depressões ou impactos da estrada. Um belo feeling, sem dúvida, e a certeza de que esta Domane+ SLR 6 pode ser para o atleta que não treina diariamente, mas que deseja acompanhar os seus colegas mais “prós” ao fim de semana.

Além do motor…

Esta polivalente versão vem equipada com o conjunto de transmissão Shimano 105 Di2, um sistema elétrico que funciona na perfeição e com aquela suavidade a que Shimano já nos habituou com os seus grupos elétricos (mesmo que não sejam wireless…). Mantemos a opinião de que a Sram está melhor no BTT e que a Shimano ainda tem uma palavra a dizer nos grupos eletrónicos para a estrada…

Este 105 Di2 de 12 velocidades, pedaleiro duplo, é muito preciso e silencioso, com a bateria a ter um desempenho que até nos leva a esquecer que temos de a recarregar. Parece-nos ser muito eficiente, em que apenas alguns gramas são diferenciadores face aos sistemas Ultegra e Dura-ace.

Os botões no guiador estão estrategicamente bem colocados, intuitivos e ergonómicos, e permitem-nos alterar os modos, como já referimos.

Quanto à travagem, algo muito importante nas e-road, eis que estes travões hidráulicos da Shimano asseguram uma travagem adequada, eficiente e com um bom tacto.

Por fim, o contacto com o chão. Ou seja, as rodas e os pneus, que são uns Bontrager R3 tubeless de 32 mm, para rolar rápido em alcatrão, como diz a Trek. Mas repare-se que há clearance neste quadro para montar pneus de até 40 mm, aqui a pensar numas voltas na gravilha, algo que experimentámos muitas vezes quando recentemente testámos a Domane “normal”.

Bom comportamento, aguenta-se muito bem, com alguma ajuda extra das rodas Aeolus Pro 37V em carbono OCLV. Robustas na medida certa, relativamente leves, fluidas, e a dar à bicicleta aquele “toque” que complementa um conjunto pensado para andar o mais depressa possível. Uma verdadeira “rainha” entre as elétricas de estrada all around, esta Domane+…

Ficha técnica da Trek Domane+ SLR 6:

Quadro: Carbono OCLV 800 Series com IsoSpeed traseiro // Bateria: TQ 360 Wh // Motor: TQ-HPR50, 50 Nm, potência nominal máxima em contínuo de 250 watt, potência de pico 300 watt // Unidade de controlo: ecrã integrado Ecrã TQ LED com Bluetooth e conectividade ANT+ // Transmissão: Shimano 105 R7170 (manípulos), desviadores Shimano 105 R7150 Di2 12x, pedaleiro Praxis Carbon (172,5 mm no tamanho 56) com pratos 52/36t, cassete 11/34t // Travões: Shimano 105 BR-R7170, discos 160 mm // Rodas: Bontrager Aeolus Pro 37 em carbono OCLV, tubeless ready // Pneus: Bontrager R3 Hard-Case Lite 32 mm // Guiador: Bontrager Pro IsoCore VR-SF de 42 cm (no tamanho 56), fita Bontrager Supertack Perf // Espigão: Trek Domane em carbono // Selim: Bontrager Verse Short Elite (carris em aço inoxidável) // Peso: 12,40 kg // Preço: 7.599 euros

Site oficial:

Todas as fotos (clica/toca para aumentar):

Pormenores (clica/toca para aumentar):

Neste teste:

  • Texto: Nuno Margaça
  • Fotos: Nuno Margaça e Rodrigo Vicente
  • Rider em ação: Nuno Margaça

Caso detetes algum erro ou tenhas informação adicional que enriqueça este conteúdo, por favor entra em contacto connosco através deste formulário.

Também vais gostar destes!