Se tens acompanhado o GoRide, sabes que estivemos presentes na apresentação mundial da nova Trek Madone Gen 8, bicicleta de estrada que vem revolucionar o catálogo da marca e que está em ação neste momento no pelotão da Volta a França, nas mãos dos prós da Lidl-Trek!

PUB
Nova Trek Supercaliber

No evento tivemos oportunidade de ver a bicicleta de perto, experimentá-la na estrada (vê aqui e mais abaixo o nosso vídeo de teste!) e também de conversar com os engenheiros da Trek que foram responsáveis pelo desenvolvimento do modelo que agora tem a “responsabilidade” de substituir não só a Madone Gen 7 como também a Émonda, que abandona o catálogo da Trek a partir de agora.

Já andámos com a nova TREK MADONE GEN8 | Primeiras impressões / Review

“É o melhor de dois mundos”, dizem. Mas será que o ciclista de fim de semana procura esse conceito “combinado”? E será que a bicicleta é mesmo a mais rápida até então na oferta da Trek? E o sistema IsoFlow, o que “esconde” desta vez? Tivemos a sós com os principais responsáveis pela Madone Gen 8 e ficámos a saber tudo…

GoRide: A nova Trek Madone quer “revolucionar” o conceito aero? Esta nova bicicleta parece menos aerodinâmica, acham que o consumidor final percebe e quer isto? O lado estético continua a ser muito importante. Como lidam com isto?

Trek: “A nossa melhor resposta são os dados! Partilhamos os dados todos com toda a gente. É normal que seja difícil para as pessoas perceberem na realidade as diferenças, mas, com os dados tornados públicos e apresentados, conseguimos provar que esta nova Madone Gen 8 é efetivamente mais rápida”.

PUB
Specialized Levo

“Contudo, se compararmos a antiga geração com esta, vamos conseguir ver na prática as melhorias a nível aerodinâmico, mesmo que as formas físicas não a façam parecer mais rápida”.

GoRide: Temos agora um novo sistema de tamanhos… Isto foi atingido tendo em conta aquilo que o profissionais querem, ou foi o consumidor final quem teve aqui um papel fundamental?

Trek: “As duas coisas! Temos uma larga base de dados de vários ciclistas profissionais e amadores, e foi assim que chegámos a esta nova tabela. De certa forma traduzimos o sistema anterior para este novo e, claro, tivemos em conta as posições extremas dos atletas profissionais, algo que um atleta comum não atinge”.

PUB
Garmin

“No sistema numérico (o antigo) era mais difícil de acertar com o tamanho certo para um ciclista que está, por exemplo, entre um 52 ou um 54; as medidas eram muito semelhantes, e isso complicava a escolha. Neste novo sistema alfabético de seis opções tudo é mais fácil e lógico”.

“Mas estamos muito contentes por termos uma base que permite fazer montagens super ‘agressivas’ e competitivas, ou algo mais confortável e utilizável”.

GoRide: Como foi o caminho para chegar aqui? Acabar com a Émonda? Há uns anos as bicicletas aero ganharam grande popularidade, mas hoje conseguimos os mesmos benefícios aero com a leveza de uma ‘bike trepadora’. Como chegaram até aqui?

Trek: “Foi difícil e deu muito trabalho! Em primeiro lugar, temos a nossa equipa (Lidl-Trek), que é uma Factory Team, o que possibilita um contacto mais direto com os ciclistas profissionais. É sempre importante um feedback direto. Fizemos muitos testes e protótipos, mas dos quais os ciclistas não gostaram…”.

“É um processo demorado e minucioso. Procurámos mexer naquilo que os profissionais notam efetivamente. Por outro lado, se olharmos para a história da Émonda, com o passar dos anos a bicicleta foi ganhando peso, seja pelo acrescento de travões de disco, seja por formas mais aerodinâmicas. Com a Madone, ouvimos sempre a mesma opinião: ‘queremos a bicicleta mais leve'”.

“Portanto, a Émonda foi ganhando peso e traços aerodinâmicos, e a Madone foi perdendo peso e as linhas agressivas. O passo lógico era terminar com a Émonda e oferecer aquilo que é mais versátil. Uma junção das duas filosofias!”.

PUB
Nova Mondraker Dune

Mais info:

Também vais gostar destes!