Tem sido uma viagem de montanha-russa a da equipa da agora Team Jayco AlUla (BikeExchange-Jayco, em 2022). A original Orica tanto tem vivido grandes momentos, como luta por tentar aparecer nas grandes provas; tanto sonha em ganhar monumentos e grandes voltas (que já conseguiu), como se vê obrigada a repensar estratégias. Para 2023 há uma reestruturação, com vários dos ciclistas da casa (australianos) a saírem e as contratações a apostarem num misto de experiência, mas também juventude.

PUB
Prototype

A formação viu então sair corredores já com algum tempo de casa, tendo ficado claro que era preciso renovar. Ainda assim, perder Kaden Groves terá sido um rude golpe. O sprinter de 24 anos foi uma das afirmações da temporada – venceu uma etapa na Vuelta -, mas optou por seguir a carreira na Alpecin-Deceuninck.

Dylan Groenewegen manterá o seu estatuto nos sprints – a ver vamos se o reforço Blake Quick faz jus ao apelido (rápido) – , com Simon Yates a ser o líder quando as provas metem montanha. O britânico teve um 2022 positivo, ainda que não esteja fácil conseguir regressar ao topo numa grande volta. Mas não vai estar só nesta época.

Uma das contratações que chama a atenção é Eddie Dunbar. Ciclista com qualidade, mas que na INEOS Grenadiers nunca conseguiu ganhar o seu espaço, numa equipa com tantos corredores com as suas características. A mudança para a Jayco AlUla tem tudo para ser positiva para o irlandês, pois poderá ser importante ao lado de Yates, mas também haverá mais do que espaço para ser líder.

A mesma situação para Chris Harper, bom trepador, mas na Jumbo-Visma sempre preso ao papel de gregário. Filippo Zanna e Rudy Porter chegam também a pensar no bloco de trepadores.

A equipa teve uma temporada de 2022 positiva e as vitórias de etapas nas três grandes voltas comprovam isso mesmo. Foram 22 triunfos no total (16º lugar no ranking UCI) e a Jayco AlUla vai continuar a apostar nessa mentalidade de “caçar” etapas ou disputá-las ao sprint, enquanto tenta então espreitar outros resultados em gerais.

Ainda tem ciclistas que podem mostrar-se em algumas clássicas e Zdenek Sytbar assinou para tentar concretizar o sonho de vencer um monumento. É aqui, nas clássicas, que poderá destacar-se o outro “capitão” da equipa australiana.

PUB
Beeq

Aos 32 anos, Michael Matthews já vai revelando algumas dificuldades em disputar sprints, mas continua a ser um ciclista muito bom a ler corridas de um dia. E claro, contem com ele para procurar mais uma ou outra etapa na Volta a França.

Uma equipa para todo o tipo de terreno, para procurar vitórias – o reforço Alessandro de Marchi é um senhor das fugas no pelotão – , mas com expectativa de ver Simon Yates repetir um triunfo como o de 2018, na Vuelta. O bloco para a montanha foi fortalecido, agora é mostrar na estrada aquele Yates que no seu melhor dá muita dor de cabeça à concorrência.

Reforços: Alessandro de Marchi (Ita, 36 anos, Israel-Premier Tech), Blake Quick (Aus, 22, Trinity Racing), Chris Harper (Aus, 28, Jumbo-Visma), Eddie Dunbar (Irl, 26, INEOS Grenadiers), Felix Engelhardt (Ale, 22, Tirol KTM Cycling Team), Filippo Zana (Ita, 23, Bardiani-CSF-Faizanè), Lukas Pöstlberger (Aut, 31, BORA-hansgrohe), Rudy Porter (Aus, 22, Trinity Racing), Welay Hagos Berhe (Eti, 21, EF Education-NIPPO Development Team) e Zdenek Stybar (Che, 37, Quick-Step Alpha Vinyl).

Permanências: Alexander Balmer (Sui, 22), Amund Grondhal Jansen (Nor, 28), Blake Quick (Aus, 22), Callum Scotson (Aus, 26), Campbell Stewart (NZ, 24), Christopher Juul-Jensen (Din, 33), Dylan Groenewegen (PB, 29), Elmar Reinders (PB, 30) Jan Maas (PB, 26), Jesús David Peña (Col, 22), Kelland O’Brien (Aus, 24), Kevin Colleoni (Ita, 23), Luka Mezgec (Esl, 34), Lawson Craddock (EUA, 30), Lucas Hamilton (Aus, 26), Luke Durbridge (Aus, 31), Matteo Sobrero (Ita, 25), Michael Hepburn (Aus, 31), Michael Matthews (Aus, 32), Simon Yates (GB, 30) e Tsabu Grmay (Eti, 31).

Saídas: Alex Edmondson (Aus, 29, DSM), Alexander Konychev (Ita, 24, Corratec), Cameron Meyer (Aus, 35, retirou-se), Damien Howson (Aus, 30, Q35.6 Pro Cycling Team), Dion Smith (Aus, 29, Intermarché-Circus-Wanty), Jack Bauer (NZ, 37, Q36.5 Pro Cycling Team), Kaden Groves (Aus, 24, Alpecin-Deceuninck), Nick Schultz (Aus, 28, Israel-Premier Tech), Sam Bewley (Aus, 35, retirou-se) e Tanel Kangert (Est, 35, retirou-se).

PUB
Riese & Müller Multitinker

Também vais querer ler…

Team DSM a olhar muito para Romain Bardet mas a continuar a apostar em jovens valores

Fotografia: Photo Gomez Sport/Facebook GreenEdge Cycling

Também vais gostar destes!