Esta vertente já não é exclusiva das alturas do ano em que está bom tempo! São às centenas os praticantes de gravel de aventura que se lançam durante todo o ano em desafios mais extensos, com duração de vários dias e em que saber equipar e carregar a bicicleta é essencial.

PUB
Polisport R750

Este é um ponto que pode parecer simples, mas a verdade é que pode trazer muito sofrimento o facto de não acondicionarmos e amarrarmos bem as bolsas e os alforges em que transportamos as nossas coisa ao longo de uma viagem de gravel de aventura…

O mais importante é “respeitarmos” a viagem que vamos fazer e nunca a encarar de forma leviana.

Se já tens a bike a jeito e estás na fase de preparar a aventura que se segue, apresentamos-te algumas recomendações que te vão ajudar a fazer o teu primeiro passeio de “bikepackaging” com garantiasde sucesso. Vamos embora!

1. Sê sempre honesto contigo próprio no gravel de aventura

Primeiro ponto: temos de ser honestos para connosco próprio. Como estamos fisicamente? Estamos preparados para fazer percursos muito longos e extremamente difíceis? Gostamos de desfrutar da natureza por vários dias seguidos? Qual o orçamento que temos? Preferimos comer e dormir na natureza ou em hotéis ou hostels?

É importante colocares-te a ti próprio todas estas perguntas e mais algumas, para que depois não te arrependas a meio do caminho e queiras desistir… E o processo de preparação de uma viagem deste género pode ser quase tão divertido quanto a própria viagem, acredita. Por isso dedica-lhe algum tempo, prepara as coisas com tempo.

2. Não leves muita coisa…

Ao nível da roupa, não leves muito: é imprescindível uma capa para a chuva e um corta-vento, sobretudo se optarmos por percursos de montanha ou por viajar para o norte de Espanha.

PUB
Polisport MudPro

Mas leva pelo menos dois calções, para poderes vestir um par limpo todos os dias. O que usamos em cada dia lavamos à noite! Mais importante: as meias. Leva várias contigo, pois pela nossa experiência pode ser um problema sentir incómodo nos pés, seja por estarem molhados, seja por estarem a fazer bolas e a aquecerem.

Lembra-te que o gravel de aventura não é igual às nossas voltas de fim de semana, mesmo que estas sejam grandes.

3. Prepara-te para acampar

Leva sempre contigo uma pequena tenda, um saco-cama e um tapete, mesmo que tenhas planeado pernoitar num hotel ou hostel na maior parte das noites. Assim poderás improvisar caso encontres um sítio na natureza muito agradável, até!

Se tiveres espaço suficiente, podes levar um mini fogão de campismo, por exemplo, bem como os itens que consideras essenciais para acampar com “pinta”.

Para transportar tudo, é importante escolheres bem as malas: os modelos do tipo retangular e as semi-rígidas podem ser as que dão mais garantias. A bolsa por baixo do selim é ideal para guardar roupas e pequenos objetos, enquanto a bolsa do guiador é ideal para guardar o material de acampamento.

E tens sempre s alforjes que encaixam nos racks traseiros, com vários tamanhos disponíveis e a suportarem muita capacidade de carga.

4. Escolhe uma tenda adequada

Se pretendes pernoitar em tenda (cuidado ao acampar fora dos parques de campismo!), tenta ficar a conhecer primeiro os regulamentos tanto do nosso país como dos países vizinhos. É importante. Se possível, reserva a estadia com antecedência, mesmo que seja para ficar num parque de campismo.

Quanto à tenda, estuda e experimenta a montagem e a desmontagem, pratica em casa. Podes optar por um modelo dos que “atiramos para o ar” e já está. Mas muitas delas não são lá muito práticas de transportar quando fechadas…

O melhor talvez seja escolher a que tiver a melhor relação entre boa dimensão quando montada e tamanho reduzido quando guardada.

5. Encontra mais ‘espaço’ na bike

O ideal é ter um guiador especifico de gravel, dado que tem uma largura maior (440 a 460 mm) e oferece mais espaço para acondicionar a tenda (e outros itens) face aos guiadores convencionais de estrada.

A verdade é que a maior parte das bikes de gravel já garantem isto. Especialmente as que são mais de aventura e menos de performance nos trilhos.

Também podes montar uma pequena bolsa horizontal, pois é uma boa opção para transportar as ferramentas necessárias e ter a carteira e o telemóvel sempre à mão. E o que não faltam são bolsas para montar no quadro, seja com furos já de origem ou com fitas adesivas.

6. Não te esqueças das luzes…

Muito importante! No verão os dias são bem grandes, no inverno nem por isso, mas o melhor é reservares um espaço na bagagem para levar luzes para a frente e para trás.

Não te esqueças de as recarregar todos os dias à noite; se não as usaste, dá-lhes uma pequena carga na mesma, nunca se sabe… Se tal não for possível, há carregadores e baterias as energia solar que resolvem o problema.

7. … nem do GPS!

Por falar em tecnologia, um ciclo-computador / GPS é algo indispensável em qualquer viagem de gravel de aventura. Além de teres os percursos e cada etapa bem estudados, é importante que carregues os tracks todos os dias e cumpras o que planeaste ao nível da navegação.

Se possível, leva um mapa em papel, à antiga! Pode acontecer algo ao GPS, pode apenas ficar sem bateria (podes levar uma suplente…) e assim corre tudo bem.

Não te fies no smartphone, pois é bem provável que a cobertura falhe em algumas partes dos percursos e o sistema de navegação comece a baralhar-se.

8. Experimenta, testa!

Testa todo o equipamento com antecedência, equipa-te completamente (e à bicicleta também) e dá uma volta longa numa dara prévia, se possível, para teres as mesmas sensações que terás depois durante a viagem.

Isto dá-te treino, mas também permite perceber como a bike se comporta sob esforço máximo e ao longo de muitos kms. E se te sentes confortável e nada atrapalhado por causa de toda a carga que levas na bicicleta. Pedalar com bagagem é muito diferente do que pedalar “leve”, especialmente a subir e a descer.

Nota: a segurança vem sempre primeiro em qualquer situação e/ou ponto da viagem.

9. Checka o estado da bike

Uma questão de mecânica. Nem é preciso referirmos que para uma aventura deste género tens de ter a bike afinadinha e com a manutenção em dia. Leva nas bolsas tudo o que conseguires tendo em vista eventuais emergências mecânicas, pois encontrar serviços técnicos pode ser impossível ao longo de muitos kms.

Assinalada no mapa as oficinas ao longo do caminho, bem como as lojas que vendem coisas para a bike. Anota os horários e os contactos desses estabelecimentos, nunca se sabe se não será preciso… E falamos de escrever mesmo num papel que possas levar na carteira.

E não te esqueças que tens de saber alguma coisa de mecânica, pois uma câmara de ar ou um elo rápido de engate na corrente não se trocam sozinhos…

10. ‘Comunica’ sempre que possível

É muito importante que informes a tua família e amigos sobre o que vais fazer, que coloques alguém ao corrente de onde vais passar e que tenhas um plano de recolha, se possível, no caso de teres de desistir.

Garante que tens sempre forma de contactar seja quem for que te possa assistir em caso de problemas durante a viagem. E, mesmo que viages em grupo, tenta ligar para casa todos os dias com informações novas. Podes mesmo aproveitar para contar a aventura desse dia em cima da bicicleta, não?

Outros artigos sobre gravel que te interessam:

PUB
Polisport Joy

Estás a gostar do GoRide.pt?

Então subscreve a Newsletter GoRide.pt clicando/tocando na imagem abaixo!

NEWSLETTER GORIDE.PT Newsletter GoRide.pt

José Escotto
O nosso responsável pelo GoRide Espanha! Experiência na área do ciclismo (e do desporto em geral) não lhe falta e muito menos entusiasmo quando se trata de divulgar as mais recentes novidades de bicicletas e BTT.

    Também vais gostar destes!

    Mais em Especiais