A incerteza provocada pela pandemia levou ao cancelamento de mais duas corridas World Tour. A meio de junho, quando o calendário foi revisto pela UCI, saiu a Através das Flandres. Agora são as clássicas canadianas, Quebeque e Montréal, que foram canceladas.

“Atualmente ainda há demasiadas questões por responder. Por exemplo, a abertura das fronteiras, quarentena obrigatória e autorização de ajuntamentos em público. Adiar mais esta decisão não teria sido nem responsável, nem respeitável para todas as partes envolvidas que confiam em nós desde 2010”, explicou Serge Arsenault.

O presidente do comité organizador das duas provas garantiu que nos últimos meses tudo foi feito para que as corridas pudessem ser disputadas, respeitando todas as medidas de segurança sanitárias. “Todos os esforços para manter os nossos níveis de qualidade, assim como para garantir a segurança de todos, foram em vão”, desabafa o responsável.

No final do comunicado ficou uma mensagem. “A todos os fãs de ciclismo dizemos: até para o ano, a 10 e 12 de Setembro.”

Em dez anos, as clássicas do Canadá foram seduzindo cada vez mais um pelotão com grandes nomes da modalidade e tem muitos vencedores de nota, incluindo um português. Peter Sagan, Greg van Avermaet, Rigoberto Urán, Philippe Gilbert, Michael Matthews e Rui Costa estão na lista dos ciclistas que triunfaram em uma ou nas duas corridas. Rui Costa foi o mais forte na Clássica de Montréal, em 2011.