Perante a ausência na Vuelta 2023 dos melhores velocistas do mundo – não se percebe muito bem porquê, não sendo estes nem de perto uma “espécie” em vias de extinção, é natural que o australiano Kaden Groves (Alpecin-Deceuninck) não tenha rivais nas chegadas em pelotão compacto e que possa vir a somar por vitórias as oportunidades para os sprinters (não serão muitas) nesta edição da corrida espanhola.

PUB
Selle SMP

A superioridade (até agora…) do australiano bastou para vencer as últimas duas etapas e na desta quarta-feira, a quinta da prova, à falta de melhor concorrência, tenha sido o italiano Filippo Ganna (Ineos Grenadiers) a dar-lhe maior luta.

Não é que Ganna, especialista em contrarrelógio e quiçá o melhor da sua geração, não tenha a potência e a capacidade de explosão para se intrometer num sprint, tendo vencido assim uma etapa na Volta à Valónia no final de julho. De resto, o italiano obrigou Groves a esforçar-se para garantir o triunfo sobre a meta e não se assumiu candidato de ocasião.

PUB
Selle SMP

“Nós tentámos! A 30 quilómetros do final, Geraint Thomas perguntou-me se me sentia bem. Disse-lhe que sim. E ele: ‘Ok, leva-me até aos últimos 3 km [à zona de proteção] e faz o que quiseres depois’. Hoje tentei, mas perdi muitos lugares numa rotunda. Gastei muita energia para voltar à frente. É assim. Kaden Groves é um dos melhores velocistas aqui. Ainda temos muitas etapas pela frente, iremos tentar de novo”, prometeu o contrarrelogista sprinter.

PUB
BH GravelX

Um dia aparentemente mais tranquilo foi o de Remco Evenepoel (Soudal-Quick Step), interrompido apenas pela conquista de seis segundos (!) numa bonificação a meio da etapa, e bem debaixo do nariz de todos os favoritos (e dos velocistas!).

Com esse tempo amealhado, o belga agora tem uma vantagem de 11 segundos sobre Enric Mas (Movistar) e, mais importante, 37″ e 43″ sobre Jonas Vingegaard e Primoz Roglic (Jumbo-Visma).

“Ganhar a bonificação não fazia necessariamente parte do plano, mas estávamos na frente e vi uma abertura, foi por isso. Foi uma coisa boa. Achei que eram apenas três segundos, mas no final disseram-me que eram seis. É muito bom!”, reconheceu o camisola vermelha na véspera da segunda etapa de montanha, com final no Observatório de Javalambre.

Aí veremos se estará ao nível da primeira, em Andorra, que venceu.

PUB
BH GravelX

Lê também:

Vuelta 2023 – etapa 5: Kaden Grooves novamente ao sprint [com vídeo]

Imagens: Vuelta Twitter

Também vais gostar destes!