António Morgado foi o melhor português da Volta a França do Futuro que terminou no domingo, na 34.ª posição, a 34.38 minutos do vencedor, o mexicano Isaac del Toro que neste último dia superou na liderança o norte-americano Matthew Riccitello.

PUB
Specialized Levo

Na derradeira etapa, de alta montanha, com 99 quilómetros entre Val Cenis Termignon e Sainte-Foy-Tarentaise, Lucas Lopes foi o melhor da Seleção Nacional, ao concluir no 30.º lugar, a sete minutos do vencedor, o italiano Giulio Pellizzari.

Entre os portugueses na tirada, Alexandre Montez foi 55.º (a 12.30 minutos), António Morgado 57.º (a 12.33 m), Gonçalo Tavares 78.º (a 18.42 m), José Bicho 91.º (a 23.16 m) e Diogo Gonçalves 101.º (a 25.00 m).

Com toda a Seleção Nacional a terminar a prova, na classificação geral seguiram-se a António Morgado Lucas Lopes, no 45.º lugar (a 47.15 m), Gonçalo Tavares, no 49.º (a 48.47m), Alexandre Montez, no 51.º (a 51.05 m), Diogo Gonçalves, no 101.º (a 1:29.50 horas) e José Bicho, no 115.º (a 1:44.29 h).

«Vendo a forma como a prova decorreu, seria irrealista, nesta fase, pensar em discutir a geral. No entanto, poderíamos ter feito um pouco melhor do que fizemos. Ninguém duvida do talento desta geração e estou certo de que regressaremos a esta competição com outra ambição, mas, sobretudo, com outra capacidade. A estreia destes corredores foi importante. Permitiu perceber o patamar em que se encontram e o trabalho a fazer para lutarem por outros objetivos», analisou o selecionador nacional, José Poeira.

Lê também:

Diário da Vuelta 2023: Primeira montanha, Jumbo ao ataque, ‘luta’ na Emirates

PUB
Riese & Müller Multitinker

Imagens: Volta a França do Futuro Twitter e FPC

Também vais gostar destes!