Mathieu van der Poel venceu a Clássica E3 Saxo, esta sexta-feira, na Bélgica, o primeiro duelo na temporada flandriana com o arquirrival Wout van Aert, que pode lamentar-se pela queda a 45 quilómetros da meta, que lhe causou atraso irrecuperável.

PUB
Nova Trek Supercaliber

Nesse momento decisivo da corrida, no célebre muro de pavé, Paterberg, após um ataque do espanhol Oier Lazkano (Movistar) com o objetivo de fracionar o grupo principal, a bicicleta do belga da Visma-Lease a Bike resvalou na berma da estrada empedrada e este não conseguiu evitar a queda.

O campeão mundial de fundo, a cumprir apenas o seu segundo dia de competição na estrada em 2024, foi o corredor que mais mexeu na corrida, com uma mão cheia de ataques até, finalmente, isolar-se, no Paterberg, a mais de 43 quilómetros da meta.

PUB
Schwalbe Pro One Tubeless

A prova que marca o início da sucessão das clássicas flamengas, uma das semanas mais esperadas pelos fãs do ciclismo, não defraudou, com os grandes nomes a darem espetáculo no último terço dos 207,6 quilómetros com início e final em Harelbeke.

Já depois de Ivo Oliveira (UAE Emirates) integrar a fuga do dia, formada por volta do quilómetro 80, após a união de dois grupos, as ‘estrelas’ do pelotão decidiram assumir o protagonismo: a 80 quilómetros da meta, Van der Poel iniciou a sua série de ataques, demonstrando logo que os seus adversários, nomeadamente o arquirrival Van Aert, estavam uns furos abaixo.

Depois de ter cumprida a sua missão, Oliveira, que foi 79.º no final, seria alcançado pelo grupo de favoritos, de onde MVDP contra-atacou no Paterberg, uma iniciativa do espanhol Oier Laskano (Movistar), a pouco mais 43 quilómetros da meta, e no momento em que Van Aert viu a bicicleta derrapar na berma da estrada e a consequência foi a queda.

Van Aert não demorou a partir, igualmente em solitário, no encalço do neerlandês da Alpecin-Deceuninck, e nos dez quilómetros seguintes reduziu a diferença para o líder para tão-só dez segundos, em demonstração de grande forma, mas à passagem pelo não menos famoso Old Kwaremont – outra subida empedrada, o corredor da Visma, vencedor desta clássica em 2023, acusou o cansaço da perseguição e começou a perder terreno.

Em mais um episódio de um dos mais emblemáticos e bonitos duelos do ciclismo atual, o belga da Visma-Lease a Bike ainda conseguiu reduzir a diferença para o campeão mundial, mas acabaria por pagar caro o seu esforço: seria terceiro na meta, depois de nem se fazer ao sprint, a mais de um minuto e meio daquele que é o seu maior rival desde júnior, primeiro no ciclocrosse e, depois, na estrada.

Na clássica belga participou também o jovem António Morgado (UAE Emirates), que foi 75.º, a 6.04 minutos do vencedor, chegando num grupo cinco segundos à frente do seu companheiro e compatriota Ivo Oliveira.

Classificação


 Créditos da imagem: #E3SaxoClassic – https://twitter.com/cycloben2/status/1771230560855216219/photo/1

Também vais gostar destes!