A Shimano sempre foi uma referência nas transmissões, equipando grande parte das gamas de bicicletas produzidas em todo o mundo. Mas… e o que acontece hoje em relação aos sistemas de transmissão para gravel, também assim é? Tal como nas restantes vertentes do ciclismo, algo mudou desde que a Sram introduziu a “moda” do monoprato e também as tecnologias sem fios…

PUB
Giant Trance X Advanced E+ Elite

A Sram tem explorado bastante bem estes conceitos e, embora a Shimano tenha reagido com os seus próprios sistemas 1x, parece seguir agora atrás da sua rival norte-americana, principalmente após a chegada e quase massificação da tecnologia eletrónica AXS, que gradualmente se expandiu entre as várias gamas da marca.

No gravel em particular, a Shimano “contra-atacou” com o lançamento da série GRX, e com muita eficácia, diga-se, isto de acordo com o que já tivemos oportunidade de experimentar. As opções multiplicaram-se, seja de 1x, 2x, 10x ou 11x, sistema mecânico ou eletrónico…

Contudo, a Sram não descansou: o lançamento do novo sistema Sram Apex é uma resposta evidente ao GRX da Shimano e várias características podem trazer sucesso a este um grupo de transmissão.

Trata-se de um conjunto de transmissão eletrónica AXS, wireless, enquanto o Shimano Di2, de apenas 11 velocidades, mantém os cabos. Por outro lado, o novo Apex já trás 12 velocidades, algo que de momento não é possibilidade no Shimano GRX.

PUB
Specialized Levo

Da mesma forma, o Sram Apex é exclusivamente um sistema de monoprato, enquanto o Shimano GRX, apesar de ter apenas 11 velocidades, permite conjugar com um ou dois pratos no pedaleiro, o que pode ser vantagem para muitos utilizadores, ainda.

Aqui ficam alguns pormenores deste dois sistemas, o Sram Apex XPLR AXS e o Shimano GRX Di2.

Sram Apex 1x AXS

Esta é a versão eletrónica do novo Apex. Tem como base as 12 velocidades (não existe outra opção) e o seu foco é o gravel, apesar de também ser indicado para bicicletas de granfondo “não competitivo”, visto que o sistema 1x limita o rácio de andamentos disponíveis.

Principais características: 

PUB
BH GravelX

Desviador traseiro XPLR AXS / X1 AXS

Com bateria incorporada, como acontece em toda a gama AXS, está desenhado para 1x. A marca dispõe de duas versões: o XLPR para cassetes de até 44d, e a X1 (herança direta do BTT…) que pode acomodar cassetes de até 52d.

Pedaleiro Apex

Como entrada de gama, os pedaleiros são em aluminio e em distintos formatos: standard e wide. Assim dão resposta a eixos de roda de 135 mm, 142 mm e Boost. São compatíveis com potenciómetros de eixo (tecnologia DUB da marca) e estão disponíveis com 160, 165, 170, 172,5 e 175 mm de comprimento. Os pratos são de 40 ou 42d.

Cassete XPLR PG- 1231

Concebida especificamente para o grupo Apex, mas compatíveis com instalações de outras gamas. A nova PG-1231 desmultiplica-se em 11, 12, 13, 15, 17, 19, 21, 24, 28,
32, 38 e 44d, compatível com núcleos HG, e também para os mais exclusivos XD.

PUB
KTM

Manetes Apex

Aqui não há fibra de carbono nem compostos “exóticos”. As manetes Apex baseiam o seu glamour na simplicidade, com as versões AXS a terem controlos que podem ser configurados e personalizados. São ajustáveis no alcance, para que se acomodem a diferentes tamanhos de mãos.

SRAM Road AXS | How to: Shift a 1x AXS Drivetrain

Travagem Apex

Sistema hidráulico com líquido DOT 5.1 e pinças de dois pistões aqui montadas com o sistema flatmount.

Peso

A Sram anuncia para o conjunto XPLR AXS (não incluindo o desviador X1 nem cassetes Eagle) um peso de aproximadamente 2.976 gramas, com discos incluídos.

Shimano GRX Di2

Como concorrente direto, eis o grupo de transmissão para gravel Shimano GRX Di2, em versão eletrónica, com 11 velocidades. Existe a opção de 1x ou 2x, o que efetivamente aumenta o rácio de andamentos disponíveis. O GRX Di2 não  é wireless, e a bateria também não é incorporada nos componentes, é externa e normalmente está integrada no espigão de selim.

Características principais:

Desviador traseiro GRX Di2

São duas as opções disponíveis, dependendo da escolha de andamento à frente (1/2x), já que o desviador RX 815 acolhe cassetes de até 34d e o RX 817 aumenta para os 42d.

Pedaleiro GRX

A Shimano não tem até ao momento pedaleiros em carbono, e como tal estes GRX são em alumínio mas com a tecnologia “oca” da marca, a HollowTech II, em eixo com 24 mm de diâmetro.

As duplo-prato combinam 48/31d, e os monoprato são de 40 ou 42d. Aqui não existe a possibilidade de integrar potenciómetro, e o comprimento pode ser de 170, 172,5 ou 175 mm.

Cassetes

A Shimano acolhe aqui cassetes de outras gamas, pelo que existe uma vasta oferta, mas destacamos aqui a XT CS-M8000 para monoprato. O que a marca recomenda neste setup é 11-42d: 11-13-15-17-19-21-24-28-32-37-42.

Manetes GRX

Duas opções, novamente… Para o monoprato, os controlos são efetuados exclusivamente numa só manete, a direita, graças à tecnologia Dual Control Lever, como na Sram. Também semelhante ao fabricante norte-americano, a forma de atuação pode ser personalizada na app E-Tube da Shimano.

Travagem GRX

Sistema hidráulico com líquido do tipo mineral e de fácil manutenção, pel oque refere o fabricante, e pinças com dois pistões flatmount.

Peso

Para comparar de forma justa, este peso refere-se à opção monoprato GRX 1x Di2 com cassete XT 11-42d: aproximadamente 2.590 gramas.

Introducing GRX gravel components | SHIMANO

Mais info:

Lê também:

Nova transmissão Sram Apex AXS: a opção mais acessível no gravel? [com vídeo]

Imagens: Shimano // Sram

Também vais gostar destes!