Eficiente é o mínimo que se pode dizer da Specialized Epic World Cup S-Works com que andámos durante muitas semanas, muitas mais do que aquelas que tínhamos de “experiências” com ela quando publicámos o nosso hands-on inicial com esta bicicleta de XC de competição da marca norte-americana, no dia do lançamento em todo o mundo…

PUB
Specialized Levo

Eficiente, tal como o é e deve ser uma topo de gama entre os modelos de BTT; cara, demais até para os bolsos da maioria dos portugueses, como o é afinal qualquer topo de gama neste momento; muito bem concebida, vista e revista ao pormenor para “assentar que nem uma luva” em qualquer praticante da modalidade.

Sim, é um facto que se trata de uma bicicleta talhada para a competição, apesar de sabermos que a nível comercial irá parar à garagem dos mais endinheirados, independentemente do tipo de uso que lhe dão. Não tem mal nenhum, isto, pelo contrário, pois a Epic World Cup nesta versão S-Works é um portento. Mesmo não sendo perfeita.

Specialized Epic World Cup S-Works | GoRide | Details

Comecemos por aí, os pontos a melhorar. Primeiro, tendo em conta o valor, devia trazer espigão telescópico, mesmo sabendo que há compatibilidade para instalar um e que algo do género iria elevar o número na balança. Mas o XCO dos tempos que correm assim o exigiria…

Depois, a ausência de ajustes e sistemas de bloqueio em movimento e em tempo real. A Specialized garante que com estes sistemas de amortecimento nada disso é necessário. Apesar das suspensões funcionarem muito bem, não concordamos em pleno com estas ausências, pois gostamos de poder bloquear o amortecimento e o respetivo “bombear” quando achamos que tal é preciso.

PUB
Specialized Levo

Queremos ter essa “liberdade”, essa “gestão” no comando no guiador. Não queremos de todo que a suspensão e o sistema façam tudo sozinhos. Repetimos: porque gostamos de escolher nós o que fazer a cada momento no que diz respeito ao amortecimento. Há quem prefira que tudo seja automático, como aqui acontece. E respeitamos isso.

Specialized Epic World Cup S-Works 2023 | GoRide

SID World Cup Integrated Design (SWCID)

Esta é a designação do sistema de suspensão total nesta bicicleta, que tem algo completamente novo na Specialized: a semi-integração do amortecedor traseiro no quadro, no top tube, tal como vemos fazer outra marca originária dos EUA.

Mas já lá vamos. Antes disso, a suspensão frontal. Mesmo não sendo possível “geri-la” ou bloquear o curso quando desejado, é fantástica, funciona muito bem, esta RockShox desenvolvida especialmente para esta bicicleta.

PUB
Orbea Genius Dealers

Com Brain, com “decisões” tomadas pelo próprio sistema, com 110 mm de curso, um patamar intermédio entre os “curtos” 100 mm e os “dispensáveis” 120 mm. Isto para XCO de competição, para a maior parte desses circuitos. Num uso de fim de semana, teríamos preferido os 120 mm…

Atrás, a tal nova tecnologia, que tem realmente muito que se lhe diga… Em colaboração direta com a RockShox, a Specialized surge com um sistema novo que “invade” o quadro na zona de junção entre o espigão de selim, os tirantes traseiros e o tubo superior do quadro em carbono. Isto dá elegância à bicicleta, em primeiro lugar.

Depois, o comportamento. Em qualquer um dos modos que podemos configurar (só podemos fazê-lo com ajuda de uma bomba de suspensões), a sensação é de firmeza em quase todos os momentos. Mas, quando é preciso amortecer, o curso de 75 mm aparece e está todo lá. “Estranho”, mas funcional.

O GoRide.pt no 14º Almourol à Vista | GoRide

 

PUB
Giant Trance X Advanced E+ Elite

Pelo lado positivo, a vantagem é que, assim, esta Epic torna-se mesmo muito responsiva. Parece uma hardtail quando é preciso acelerar, pedalar forte seja para o que for. As rodas correspondem ao que imprimirmos nos pedais, não há delays.

Por outro lado, mais uma vez eis a liberdade que não temos. Não podemos bloquear e em andamento não podemos selecionar seja o que for para ajustar o amortecimento traseiro à situação atual no terreno. Ficamos “reféns” de uma escolha eventualmente boa antes de arrancarmos.

E o sistema não é assim tão fácil de ajustar usando a referida bomba. Quem tem alguns conhecimentos técnicos em bicicletas de montanha, não sentirá dificuldades; quem pouco percebe do assunto, o conselho que podemos dar é que o melhor é deixar o mecânico configurar tudo na oficina. Para os primeiros, este vídeo esclarece tudo e serve de instrução:

How to Set-Up the New Specialized Epic World Cup Shock

Em XC, praticamente não vale a pena usarmos o modo mais “aberto” do sistema de amortecimento traseiro da Epic WC. Amortece demasiado quando o curso é ativado, bombeia bastante a rolar. Mas andar no modo intermédio é algo perfeito, refira-se, isto se os caminhos que percorremos envolvem alguns obstáculos técnicos tanto a subir como a descer.

Porque o modo mais firme é também muito eficaz (e super responsivo), ideal para os percursos mais rápidos, para as voltas que pouca técnica exigem. É aqui que sentimos que se trata de uma bicicleta de XC puro, eficiente, rápida e intuitiva, como mencionámos antes. Confirma-se, e pelo valor a pagar teria mesmo de ser assim. Mas tantos euros pagam bem mais do que isto…

Pagam também o que de melhor há neste momento no portfólio da Specialized (e da Roval) no que diz respeito a material. E tudo assente num quadro em carbono que já dispensa apresentações, muito, muito leve. Já lá vamos.

Antes disso, falar então do material próprio da marca que equipa esta Epic S-Works. E o que mais gostamos nem é propriamente novo: as rodas Roval Control SL. Numa palavra: incríveis. Leves, com apenas 1.240 gramas o par, com perfil dos aros assimétrico, largura de 30 mm e estética apurada.

Rodas Roval Control SL fazem a diferença…

Apesar de leves, estas Roval são muito robustas, aguentaram todos os “maus tratos” sem um único “queixume”. E serem full carbon ajuda também a tornar a bicicleta mais confortável e a performance mais fluida. Rolam muito bem, dão muita estabilidade à condução, não fazem muito ruído. Do melhor que a Specialized tem neste segmento. Sobre os pneus dizemos apenas que cumprem a função, não comprometem.

Por sua vez, também full carbon, o cockpit novo: o Roval Control SL. Uma peça única e com um formato muito próprio, que pode não agradar a todos. A nós agrada, é o nosso estilo de guiador, largo q.b. (760 mm), forma “cortada”, com avanço muito reduzido e integrado, muito leve (250 gramas).

Se é resistente o suficiente, para já não sabemos, pois manteve-se em total funcionamento ao longo destas semanas. Muito controlo, isso é certo. Melhor ainda é quase não apresentar cabos e outras “distrações”, dá um look muito clean à secção frontal da bicicleta.

Mas isso também acontece porque não há comandos extra no guiador. Não há o cabo que vai para o habitual bloqueio da suspensão ou “acionador” de um espigão telescópico, e não há cabos das mudanças… Porque é tudo wireless. Porque é “apenas” o mais recente e melhor conjunto AXS da Sram que temos nesta topo de gama, o novo grupo Sram XX SL AXS.

Transmissão (também) topo de gama…

O comando sem fios no lado direito do guiador está melhor. Mais ergonómico e belo, igualmente preciso e funcional face à geração anterior, ligeiramente mais compacto, até. A forma imediata com que engrena cada velocidade é “deliciosa” e algo que todos deviam experimentar um dia. Dá gosto.

Nos restantes componentes, nomedamente no desviador, na corrente, na cassete, tudo é novo neste conjunto pensado de propósito para tornar mais leves bicicletas de XC. E o pedaleiro 34t é perfeito, ainda para mais com potenciómetro Quark integrado e possível de “acompanhar” e gerir através da app para smartphone da Sram, que também ajuda a gerir o sistema de transmissão. Algumas funcionalidades a mais, mas muito divertido de usar.

Nota-se que com este grupo Sram há mais fluidez na transição entre velocidades, isto quando em comparação com o sistema AXS topo de gama que existia até chegar esta nova geração. É um facto. Talvez por a cassete ser diferente, ter relações de dentes mais equilibradas (já não apresenta aquele “salto” de dez dentes entre as mudanças mais leves, por exemplo).

E especialmente quando a engrenar mudanças “em carga”. Em caso de desafinição mínima, contudo, aí tudo pode correr mal, como acontecia antes. Estes são sistemas para andarem sempre afinados perfeitamente…

E o claim de o desviador ser efetivamente mais robusto também se confirma. Não há dropout, a montagem é direta e feita com uma peça integrada no componente que se revela muito robusta.

Ainda que a autonomia da bateria nos pareça ser exatamente a mesma que a da geração anterior (quer-nos parecer que as unidades de bateria são as mesmas…), eis que a Magic Wheel é algo igualmente fantástico e muito bem pensado.

Em contraponto, os travões, que também são a melhor e mais recente gama da Sram, não trazem melhorias consideráveis. Nota-se alguma evolução com estes Level Ultimate, principalmente por não parecerem tão “esponjosos” nos momentos em que temos de travar com mais força e durante mais tempo, mas continuam a estar um patamar abaixo de uns bons Shimano XTR, em nosso entender. Mas estão melhores e a performance está à altura do portento que é esta S-Works Epic WC.

Tão leve…

Se considerarmos tudo isto, e se não esquecermos itens como o espigão de selim Roval Control e o bom selim Body Geometry S-Works Power, por exemplo, constatamos que tudo foi pensado para tornar a bicicleta realmente leve: na nossa balança, 9,9 kg (sem bidons, com um par de pedais Shimano XT).

A base de tudo é o quadro do melhor carbono que a marca norte-american produz, uma estrutura que tem apenas 1.765 gramas e foi desenvolvido através das mesmas tecnologias que deram origem ao quadro da Aethos, que é a bicicleta mais leve de sempre da Specialized…

O quadro é “dono” de uma geometria interessante, na verdade. Olhamos para a bicicleta e a “postura” parece diferente, capaz de nos colocar numa posição menos racing do que seria de esperar. Mas depois os trilhos “aquecem” e quem está aos comandos desta Epic World Cup S-Works sente quase que um ajuste em relação ao quadro, à posição do corpo, à bicicleta.

Os kms vão passando e a “viagem” continua confortável, divertida, desafiante, rápida, tecnológica, até. Porque é impossível não nos lembrarmos do tempo que equipas completas gastaram no desenvolvimento de uma bicicleta, de uma quadro e de um sistema de amortecimento que têm como objetivos vencer provas, permitir ao ciclista ter sucesso e prazer.

Objetivos cumpridos, tanto por parte de quem anda com esta Epic nas competições como para aqueles que, como nós, apenas usamos a bicicleta ao fim de semana para umas boas voltas de BTT, e o mais depressa que o nosso corpo consegue andar. O que virá no catálogo de BTT da Specialized a seguir a isto…?

Em suma…

A fechar, dizemos apenas que passar mais tempo com esta bicicleta causou duas “inevitabilidades”: primeiro, ficarmos ainda mais apaixonados pela S-Works Epic World Cup e por tudo o que ela traz instalado; segundo, confirmarmos todos os atributos que destacámos no preview.

Uma bicicleta de BTT de topo, a melhor entre as Specialized, e certamente à altura das melhores topos de gama que outras marcas concorrentes comercializam, pois cada uma tem os seus pontos fortes e menos fortes, cada uma à sua maneira. Felizmente, são várias as bicicletas a este nível entre a oferta dos grandes fabricantes. Sortudos os que podem ter uma delas…

Nota final: aconselhamos a leitura do nosso hands-on com esta Specialized Epic World Cup S-Works, publicado a 20 de abril, data de lançamento mundial da bicicleta, pois encontras por lá várias outras considerações relativas ao desempenho da “máquina” e que achámos por bem não repetir neste teste. Link mais abaixo.

Especificações da Specialized Epic World Cup S-Works 2023:

Quadro: Specialized Epic 2023 carbono // Suspensão frontal: Rockshox SID SL Ultimate Brain 110 mm // Amortecedor: RockShox SID World Cup Integrated Design (SWCID) 75 mm // Manípulo transmissão: Sram AXS POD Controller Ultimate // Transmissão: Sram XX SL AXS 12x 2023 // Pedaleiro: Sram XX-SLP 32t // Cassete: Sram XG1299 10-52t // Travões: Sram Level Ultimate Stealth 2023 (discos de 180 e 160 mm) // Rodas: Roval Control SL // Pneus: Specialized Renegade 29×2.35 (t); Specialized S-Works Fast Trak, 29×2.35 (f) // Cockpit: Roval Control SL Cockpit // Espigão: Control SL // Selim: Body Geometry S-Works Power full carbon // Preço: 11.000 euros

Site oficial:

Todas as fotos (clica/toca para aumentar):

Pormenores (clica/toca para aumentar):

Neste teste:

  • Texto: Jorge D. Lopes e Nuno Margaça
  • Vídeos e fotos: Rodrigo Vicente, Jorge D. Lopes e Nuno Margaça
  • Riders nas imagens: Nuno Margaça e Jorge D. Lopes

Lê também:

Hands-on exclusivo: Specialized Epic World Cup S-Works 2024! [com vídeos]

Caso detetes algum erro ou tenhas informação adicional que enriqueça este conteúdo, por favor entra em contacto connosco através deste formulário.

Também vais gostar destes!