Tom Pidcock chegou à Strade Bianche, este sábado, como defensor do ‘título’ conquistado na edição de 2023. E apesar de não ter estado ao nível do ano transato, em que ganhou isolado, ao estilo de Tadej Pogacar, o britânico fez um esforço para alcançar o pódio, lançando-se numa perseguição tardia ao letão Toms Skujins (Lidl-Trek) e ao belga Maxim Van Gils (Lotto Dstny). No entanto, teve de contentar-se com o quarto lugar…

PUB
Giant TCR 2024

“Depois do ataque de Tadej [Pogacar], parecia que estávamos no ‘grupetto’, tal era o ritmo a que íamos. É a mais pura das verdades!”, admitiu Pidcock, referindo-se ao grupo perseguidor em que se incluía.

Pogacar atacou a mais de 80 quilómetros do final da corrida, deixando toda a gente para trás e ganhou rapidamente uma vantagem decisiva, que chegou a atingir quatro minutos e terminou em quase três, depois de o esloveno ter decidido relaxar e celebrar nos últimos quilómetros.

“Parecia que estávamos todos mortos”, acrescentou Pidcock. “Esperei demasiado tempo para responder e ir atrás do terceiro ou do segundo lugar. Foi muito tarde e por isso não deu”, analisa o corredor da INEOS Grenadiers.

PUB
Giant TCR 2024

“Se tivesse tido uma melhor leitura de corrida, talvez tivesse ficado em segundo lugar, mas não tenho desculpas para isto, para ser sincero!”, reconhece.

PUB
TrekFest 2024

Em 2024, a Strade Bianche teve mais 30 km e mais troços de gravilha, tornando-se a versão mais dura de sempre da prova italiana. “Estávamos a correr como se ainda fosse o antigo percurso!”, diz Pidcock. “Mas o resultado teria sido o mesmo se a distância tivesse sido a antiga”, conclui.


Créditos da imagem: Strade Bianche Twitter – https://twitter.com/StradeBianche/status/1763960452952842472/photo/1

Também vais gostar destes!