Nesta segunda parte deste artigo vamos então proceder à comparação das cinco geometrias de bikes de estrada (race, endurance, aero, cyclocross e gravel).

PUB

Ou seja, este artigo é a continuação da 1ª parte que podes ler no seguinte link:

É esse o artigo que deves ler primeiro caso precises de uma “revisão” dos conceitos acima mencionados. Ah, a propósito, se quiseres saber porque é que não se deve usar o comprimento do top tube como medida de determinação do tamanho do quadro, a resposta encontra-se também na primeira parte.

Vimos ainda alguns conceitos elementares necessários para podermos comparar a geometria das bikes de estrada entre os diversos segmentos. Estas foram o stack (ou altura), o reach (ou alcance), o ângulo do tudo do selim e a altura do tubo da cabeça de direção…

Antes de prosseguirmos, queremos relembrar que ficou por falar de um outro tipo de variáveis a ter em consideração, as coordenadas de fit. As coordenadas de fit são realmente as variáveis que interessam a todos nós ciclistas porque são as coordenadas que nos permitem passar a nossa posição de bicicleta para bicicleta. Mas não te preocupes, este tema será abordado num próximo artigo saído do Orbis Lab!

Mais concretamente, vamos usar a Trek e a Giant como marcas de exemplo.

Se visitares o site da Trek e escolheres um modelo, encontras mais abaixo na pagina uma pequena tabela com medições de diferentes variáveis em cada tamanho de quadro, e com uma figura que exemplifica mais ou menos como foi medida cada variável.

PUB
Liv Devote

Vamos assumir que todas as medições foram tiradas da mesma forma em cada quadro e, por isso, o erro de medição deveria ser zero ou muito próximo disso. A comparação de geometrias foi feita usando o tamanho 54 (Trek) ou o M (Giant), pois trata-se da média aritmética de tamanhos da população mundial.

As variáveis que nos interessam aqui são o ângulo do tubo do selim, o ângulo e a altura da cabeça do guiador, o trail, altura do top tube, o reach e stack do quadro. Estas medidas estão descritas na seguinte imagem:

As bicicletas Trek que vamos comparar são as seguintes:

Trek Madone (aero)

PUB

Trek Domane (race)

Trek Emonda (endurance)

Trek Boone (cyclocross)

Trek Checkpoint (gravel)

Os dados da tabela em baixo foram retirados do site publico da marca Trek e permitem-nos de uma forma mais clara comparar cada variável de acordo com cada categoria de bicicleta:

Comecemos por falar do trail. O trail relaciona-se com o comportamento dinâmico da bicicleta, a estabilidade em curva e a facilidade de mudanças de direção. Não é a única variável que tem um impacto direto na prestação dinâmica da bicicleta, mas podemos pensar no trail como uma medida que nos informa sobre a personalidade da bicicleta, e aqui podemos usar alguns adjetivos para a descrever: nervosa, calma, precisa, instável, responsiva, etc.

Pensa no trail como a medida que está associada a um perfil de comportamento, estando um trail grande relacionado com uma bicicleta estável em curva que resiste a mudanças de direção rápidas; esta é portanto uma bicicleta com uma condução mais relaxada.

PUB
Cube Stereo ONE

Já um trail curto está associado a bicicletas capazes de mudanças de direção rápidas, capazes de correções de trajetórias em curva, nervosas, e que portanto são bicicletas de corrida. Como se podem ver na tabela, ambas as bicicletas de gravel e cyclocross, bem como a Domane, possuem trails maiores, o que nos dá já uma pista sobre o seu comportamento dinâmico.

A importância do ângulo da cabeça do guiador

Se seguires esta linha de pensamento, podemos então olhar para o ângulo da cabeça do guiador. Da mesma forma, um ângulo mais pequeno indica uma bicicleta mais lenta (em termos de mudanças de direção) e ângulos maiores indicam uma bicicleta mais responsiva. Aqui importa ver se este ângulo está em sintonia com o trail: trails maiores e ângulos menores para geometrias mais relaxadas e trails menores e ângulos maiores para bicicletas mais agressivas.

Se sim, então a bicicleta foi claramente desenhada a pensar num propósito; se não, então temos que tentar perceber porque é que estas duas medidas não estão em harmonia. Repara que a altura da cabeça do guiador  (ou vulgarmente chamada a “testa” da bicicleta) está associada, de maneira não linear, ao stack. Uma testa maior, um stack maior. Mas, nem sempre. Repara nas bicicletas de gravel, que apresentam o stack mais alto de todos, mas geralmente uma testa mais baixa que as bicicletas de endurance.

Quanto maior a distância entre as rodas e quanto menor a altura do BB ao chão, mais estável será a bicicleta.

Se estabilidade é importante para ti, então, quando comparares duas bicicletas, deverias também olhar (para além do trail) para a distância entre rodas e a altura do BB ao chão. Quanto maior a distância entre as rodas e quanto menor a altura do BB ao chão, mais estável será a bicicleta. Mas atenção: uma bicicleta com um BB mais alto permite-te um centro de gravidade mais alto e será mais fácil saltar ou ultrapassar obstáculos.

O ângulo do tubo do selim está associado com padrão de recrutamento neuromuscular dos diversos grupos musculares e com a demanda metabólica via VO2 max e via a capacidade cardiorrespiratória. Geralmente, este ângulo está estandardizado nas bicicletas de hoje em dia. As marcas chegaram aparentemente (e finalmente) a um consenso e vemos por isso ângulos na ordem dos 73° em bicicletas de estrada e na ordem dos 78° a 80° em bicicletas de contrarrelógio.

Este é um tópico avançado que guardamos para outro dia, mas importa saber três coisas:

  • Podes alterar este ângulo mudando o selim mais para a frente e mais para trás (isto porque o que interessa no fundo é onde te sentas, em relação ao BB);
  • Ângulos maiores exibem consistentemente melhores resultados (menor contribuição muscular para a mesma potência, valores de VO2 max maiores, etc);
  • Um a dois graus não é suficiente para se alcançarem diferenças significativas, por isso, se estiveres indeciso entre uma bicicleta com um ângulo de 72° e outra com um ângulo de 73°, então haverá outras decisões mais importantes a tomar na escolha do quadro (a cor, por exemplo!).

O stack e o reach

Para finalizar, o stack e o reach. A escolha de uma bicicleta é um processo muito individual, com algumas pessoas a darem mais importância aos tipos de geometria (aero, race, endurance) e outras a darem mais importância à estética. Qualquer que seja a tua metodologia, o stack e o reach não podem ser ignorados.

Mais facilmente aconselhamos a ignorares o ângulo do tubo do selim do que a ignorars o stack e o reach. É com estas duas variáveis que regulamos a disposição do nosso centro de gravidade na bicicleta, que afinamos o nosso perfil aerodinâmico e, mais importante, que ditamos o nosso conforto nos kms que fazemos.

Mais facilmente aconselhamos a ignorares o ângulo do tubo do selim do que a ignorares o stack e o reach.

Uma bicicleta com um stack maior resultará numa posição mais alta (para a mesma configuração de cockpit: espaçadores + avanço + barras) e, como tal, no deslocamento posterior (para trás) do centro de massa. Isto resulta numa posição mais confortável. Um reach menor traz os mesmos resultados: deslocação do centro de massa para uma posição mais posterior e elevação do ângulo das costas com o horizonte.

Das cinco bicicletas, a Domane é a que tem um stack maior, seguida da Checkpoint, Boone e da Madone e Emonda empatadas com o menor stack de todos. Um stack menor indica uma bicicleta mais agressiva.

Em suma, convém estudar cada geometria porque todas elas apresentam variáveis que as diferenciam umas das outras. Mas, é importante também perceber que conseguimos alterar ou adicionar componentes que nos coloquem perto ou com valores iguais umas das outras.

Um exemplo teórico…

A Trek Madone tem um stack mais baixo que a Domane (541 mm vs 575 mm) e um reach mais longo que a Domane (386 mm vs 374 mm). Se adicionarmos 35 mm de espaçadores à Madone, o resultado é um reach 2 mm apenas mais longo e um stack igual. Se por outro lado adicionarmos 40 mm de espaçadores, o resultado é um reach igual (374 mm), mas um stack 4 mm mais alto (ver quadro abaixo).

Temos que pesar as escolhas, mas desde que o tubo do garfo não tenha sido cortado e permita 30 a 40 mm de espaçadores, conseguimos encontrar uma posição geométrica idêntica, em duas bicicletas em extremos opostos, uma aero e uma de longa distância e conforto. Em termos de geometria, a Madone e a Emonda são idênticas. O que as separa são outros atributos relacionados com a prestação dinâmica e não com a posição do ciclista, pois uma tem muito material a perfilar o quadro (carbono) e a outra tem pouco, fazendo variar bastante o peso da bicicleta.

Agora um exercício: perante a seguinte tabela com as cinco geometrias da Giant, qual é a bicicleta mais agressiva? E a mais relaxada? Tenta descobrir!

Por último, existem outras nuances que nos podem (e devem) influenciar na escolha do quadro/bicicleta. Uma das variáveis que devemos que ter em conta é a “tire clearance”, ou seja, a capacidade da bicicleta conseguir usar pneus mais largos. Por exemplo, uma bicicleta de gravel vem provavelmente montada com pneus 700×38 c ou 700×40 c, mas não é possível usar este pneu na Madone porque o garfo e as escoras traseiras não têm espaço suficiente para o albergarem.

Contudo, se a tua bicicleta de estrada consegue acomodar pneus com 38 ou 40 mm de largura (ou mais), então podes transformar a tua bicicleta numa verdadeira bicicleta de gravel apenas mudando os pneus. A Trek Domane, por exemplo, acomoda pneus de gravel com 38 mm de largura, sendo uma ótima opção para apaixonados de ambas as disciplinas.

No próximo artigo…

Aproveitando o sucesso do João Almeida no Giro, o próximo artigo Orbis Lab irá rever a posição de contra relógio deste fantástico ciclista e compará-la aos melhores contrarrelogistas da atualidade como Filippo Gana, Dennis Rohan e Victor Campenaerts.

Em direto do Orbis Lab, em Glasgow, Escócia!

O Orbis Lab é uma criação do português Nuno Gama, autor deste artigo e amigo da equipa GoRide, e um estúdio de bike fit localizado em Glasgow, na Escócia. Neste espaço e com a ajuda do Nuno, um ciclista amador ou profissional pode aumentar a eficiência e o conforto na bicicleta, enquanto minimiza o risco de fadiga precoce e lesões. Vale muito a pena ver todos os vídeos que o Nuno coloca no YouTube frequentemente:

Nuno Gama é o fundador do ORBIS LaB, um laboratório de pesquisa biomecânica e performance desportiva baseado m Glasgow, na Escócia. O Nuno é doutorado, perito em biomecânica e eletrofisiologia, e é uma pessoa extremamente acessível. Aprecia falar sobre ciência e desporto e adora a sua família, os seus cães, as suas guitarras e os seus cubos de Rubik. A bicicleta do Nuno é uma Fuji SL 1.0 de 2017 com Ultegra 8000 e rodas Mavic Cosmic Pro de pista em alumínio.

Também vais gostar destes!