Egan Bernal fez revelações sobre a gravidade da lesão nas costas que provocou a sua desistência durante o Tour de França de 2020. O corredor colombiano da Ineos Grenadiers diz que passou por um período bastante complicado da sua carreira, desvendando pormenores do processo clínico que durou meses, mas assegura que está a sentir-se melhor e cada vez mais perto da forma física ideal para regressar à competição.

PUB
Nova Mondraker Dune

“Estive na Alemanha, Inglaterra, França e Espanha. Fiz exames e ouvi várias opiniões médicas. A certa altura, não conseguia ficar em pé mais de cinco minutos sem sentir dores. Foi complicado, mas está a resolver-se e estou a voltar a sentir-me ciclista de novo”, contou Bernal, que explicou que a origem do problema é o facto de ter uma perna mais comprida do que a outra.

“Desde que me lembro, tenho vivido com dores nas costas, mas nunca foram tão fortes como durante o Tour [de 2020]. A minha perna esquerda é mais comprida 1,7 cm do que a direita. Por isso, tinha escoliose. Um dos discos da coluna vertebral pressionava um nervo que ‘controla’ o glúteo e a perna. Essa assimetria já está a ser compensada. A ideia é eliminar [a dor] completamente, mas será um processo longo”.

Bernal admite estar a ponderar a estreia, este ano, no Giro de Itália. Em declarações ao jornal La Gazzetta dello Sport, o colombiano da Ineos Grenadiers assume que participar na grande volta italiana é a sua “opção número um”.

No final de dezembro último, Bernal mencionou, como mais provável, a sua aposta no Tour, para recuperar o título perdido em 2020 para Tadej Pogacar, mas agora esclarece que o Giro sempre esteve no topo das suas preferências para a temporada que se avizinha.

PUB
Garmin

“Eu realmente gostaria de lá estar [no Giro], sim”, disse Bernal na recente entrevista ao referido diário. “Recentemente, numa entrevista que dei na Colômbia revelei que estaria a preparar-me para o Tour, mas o Giro vem em primeiro lugar no calendário e, na minha cabeça, é a opção número um. Seria muito especial”.

“Não sei se terei condições de ser chefe de fila [no Giro], ou se seria para ajudar para ajudar um líder que estivesse melhor do que eu. Mas não quer dizer que já esteja decidido, temos de definir as coisas com a equipa e ver em que ponto está a minha recuperação.

Recorde-se que Bernal deveria ter liderado a Ineos no Giro de 2019, mas teve de abdicar da participação depois de uma queda num treino pouco tempo antes do arranque da prova. De qualquer modo, o sul-americano recuperou a tempo de vencer o Tour nesse ano.

Embora o colombiano ainda não tenha confirmado o seu programa de competição para 2021, prevê-se que comece no campeonato nacional do seu país ou na Volta à Comunidade Valenciana, em Espanha.

“Sinto-me bem, estou muito motivado. Não faço corridas há quase quatro meses, espero recomeçar no início de fevereiro, mesmo que não esteja no meu melhor”, concluiu.

PUB
Prototype

Mais info:

The INEOS Grenadiers

 

Também vais gostar destes!