Custou, mas Domenico Pozzovivo conseguiu encontrar uma equipa para continuar a sua carreira. Aos 40 anos, o italiano assinou pela Israel-Premier Tech.

PUB
Riese & Müller Multitinker

Era um desfecho esperado há alguns dias, com a equipa a querer estrear o seu reforço já no Tirreno-Adriatico, mas a não conseguir. A inscrição do ciclista estava “bloqueada” na UCI, segundo a Gazzetta dello Sport. Com o período de transferência fechado, demorou um pouco mais a confirmação de Pozzovivo como ciclista da formação israelita, que este ano está no escalão ProTeam (segundo), depois de ter sido relegada no final de 2022.

No entanto, como ciclista livre – o contrato com a Intermarché-Circus-Wanty havia terminado a 31 de dezembro do ano passado – Pozzovivo podia assinar por qualquer equipa. Uma situação que já não é nova para o italiano, que em 2022 também só assinou contrato em fevereiro.

O experiente corredor realizou uma boa temporada, fechando em oitavo na Volta a Itália. A sua regularidade poderá valer muitos pontos, os que faltaram à Israel-Premier Tech para se manter no World Tour.

Se há equipa que aposta em ciclistas com muita experiência é esta. Pozzovivo vai juntar-se a Michael Woods, Ben Hermans e Simon Clarke, com 36 anos, e Jakob Fuglsang, Reto Hollenstein e Chris Froome, com 37, e ainda Daryl Impey, que tem 38.

Pozzovivo conta no seu palmarés com uma vitória de etapa no Giro, na Volta à Catalunha, na Volta à Suíça, três na Volta ao Alpes, tendo ganho a geral desta prova em 2012.

PUB
Giant TCR 2024

“Tenho o prazer de dar as boas-vindas ao Domenico na nossa equipa. Apesar da idade avançada, ele já provou que ainda tem muito para dar. Ele irá fortalecer a nossa equipa no Giro e nas clássicas italianas”, afirmou o patrão da Israel-Premier Tech, Sylvan Adams, em comunicado.

Kjell Carlström, general manager da formação, salientou que Pozzovivo irá fortalecer as ambições na luta por classificações gerais – com olhos postos na Volta a Itália -, confirmando que a estreia com a camisola da Israel-Premier Tech será na Settimana Internazionale Coppi e Bartali, de 21 a 25 de março.

“Começo um pouco mais tarde do que o habitual mas com a mesma motivação”, salientou. “É um grande feito juntar-me a uma equipa que está feliz por retribuir estes árduos e difíceis meses de treino sem equipa mas, ao mesmo tempo, é um ponto de partida para construir uma época muito boa”, garantiu.

Também vais querer ler…

Chris Froome e a difícil relação com os travões de disco

Fotografia: Facebook Intermarché-Circus-Wanty

Também vais gostar destes!