Cian Uijdebroeks teria contrato com a BORA até final de 2024, mas no último sábado a Jumbo-Visma, a equipa mais bem-sucedida do WorldTour na temporada finda, vencedora das três grandes voltas – Itália, França e Espanha -, anunciou a aquisição dos serviços do corredor, por um vínculo de quatro anos, até 2027.

PUB
Cube Stereo ONE

A equipa neerlandesa, que a partir de 1 de janeiro denominar-se-á Visma-Lease a Bike, no seguimento da substituição de um dos dois patrocinadores principais, informou que a contratação tem efeito imediato, alegando que a ligação de Uijdebroeks à BORA expirou a 1 de dezembro último. Fê-lo através do site oficial da ainda Jumbo-Visma.

«Seguimos Cian desde os seus tempos de júnior. Quando surgiu a oportunidade de o contratar a partir de 1 de dezembro, não hesitámos. Cian adapta-se perfeitamente à nossa equipa. Ele quer evoluir em todas as áreas», afirmou o diretor geral da equipa, o neerlandês Merijn Zeeman, em comunicado de imprensa. «Estamos felizes por ele nos ter escolhido e à nossa abordagem. Nos próximos anos, a tónica será colocada na melhoria e no crescimento. Ele pode aprender com os nossos melhores corredores, como Jonas Vingegaard, Wout van Aert e Sepp Kuss. Vemos o Cian como um futuro líder da nossa equipa».

A saída de Primoz Roglic, precisamente para a BORA, a partir de 2024, justifica desde logo o interesse da Visma na jovem promessa belga, que ocuparia, a médio ou mesmo curto prazo – dependendo da sua evolução – o estatuto do corredor esloveno, que venceu o Giro em 2023, além de três Vueltas (2019, 2020 e 2021) pela Jumbo-Visma.

Cian Uijtdebroeks também foi lesto a partilhar os sentimentos sobre a mudança de equipa. «Estou muito contente por me juntar à equipa Visma-Lease a Bike, que provou ser equipa líder nos últimos anos e absolutamente notável em 2023, vencendo as três grandes voltas. É uma honra aprender com pessoas como o Jonas, o Wout e o Sepp. Estou ansioso por começar com a Visma-Lease a Bike».

As relações entre o jovem prodígio belga e a BORA deterioraram-se nos últimos meses, com o corredor a tecer duras críticas à organização da equipa, como as que se seguiram à participação no Crono das Nações, em outubro, quando a acusou de não trabalhar no aperfeiçoamento do contrarrelógio e de o ter deixado desamparado nessa competição. Desde logo, surgiram rumores de que Cian Uijtdebroeks estaria a forçar a saída e do interesse de equipas como a INEOS Grenadiers e a Lidl-Trek, nunca a Jumbo-Visma, mas as suposições eram de que o ciclista apenas estaria livre depois de 2024. «Cian é e continuará a ser membro da BORA-hansgrohe, também na próxima época de 2024. Ele está contratualmente ligado à nossa equipa até 31 de dezembro de 2024».

PUB
Schwalbe Pro One Tubeless

A agência do corredor, All Sports Sport Management Group, também emitiu um comunicado em que declara que o contrato com a BORA terminou no primeiro diz do corrente mês. «O acordo entre Cian Uijtdebroeks e a BORA-hansgrohe foi rescindido a 1 de dezembro de 2023. Os procedimentos legais já foram iniciados por Cian Uijtdebroeks e a UCI está ciente da rescisão do acordo», escreveu a agência em comunicado. «O Cian está confiante quanto ao resultado do processo pendente e abster-se-á de mais comentários nesta altura. Claro que Cian está entusiasmado e ansioso pela futura cooperação com a Team Visma-Lease a Bike a partir da próxima época».

A história ainda agora começou e prevêem-se mais desenvolvimentos nos próximos dias e semanas desta pré-temporada que começa acesa em polémica, desde logo da União Ciclista Internacional (UCI), cujos regulamentos sobre transferências são conservadores, não permitindo rescisões unilaterais ou até contratações sem acordo tácito entre todas os intervenientes – as duas equipas envolvidas e o corredor.

Também vais gostar destes!