António Morgado está a fazer a primeira corrida do WorldTour no Tour Down Under, na Austrália, com a sua nova equipa UAE Emirates. Vice-campeão mundial júnior em 2022 – atrás do alemão Emil Herzog – que se estreia em Maiorca dentro de alguns dias – e sub-23 – atrás do francês Axel Laurance, português celebra o 20.º aniversário no dia 28 de janeiro.

PUB
TrekFest 2024

Sobre a estreia absoluta no pelotão principal, Morgado diz-se… “Super entusiasmado!”

“Estou muito feliz por correr no Tour Down Under. Ouvi dizer que muitos grandes corredores – mas não sei quais – começaram as suas carreiras aqui e depois tiveram sucesso. Gostaria de seguir-lhes o exemplo. Ainda não estou em grande forma, tenho as condições normais de um ciclista europeu em janeiro, mas na equipa temos corredores em excelentes condições e estou disponível para os ajudar. Estou aqui como trabalhador de equipa”, explicou ao Cyclism’Actu o jovem luso, que tem um objetivo para sua primeira temporada de profissional.

“Quero aprender a correr com grandes corredores, grandes motores e ser útil para a equipa. Não estou apreensivo sobre a temporada. Farei o que a equipa quiser”, declarou Morgado, que conta as razões por que optou pela UAE Emirates.

“É uma equipa de vencedores e gosto do espírito. E é uma equipa latina, com muitos italianos, espanhóis e portugueses, incluindo o João Almeida, que vem da mesma cidade que eu, Caldas da Rainha”, onde termina a segunda etapa da Vuelta 2024… O português diz que no próximo dia 18 de agosto não estará no pelotão da grande volta espanhola.

PUB
Schwalbe Pro One Tubeless

“Este ano, não! Mas estarei na beira da estrada para ver a corrida passar. Vai ser enorme para o ciclismo em Portugal”, refere.

Nas três temporadas em juniores e sub-23, o que terá António Morgado aprendido sobre os seus pontos fortes?

“Acho que o meu ponto forte é a descida. E gosto mesmo de descer. Quanto ao resto, ainda não sei exatamente que tipo de corredor sou. Acho que sou um trepador, mas não um alpinista puro. Quero tornar-me um corredor que pode fazer qualquer coisa. Fiquei doente no ano passado no Giro NextGen (Volta a Itália do Futuro) e no Tour du Val d’Aosta, por isso preferi colocar-me ao dispor da minha equipa. No Tour de l’Avenir (Volta a França do Futuro) estava em boa forma, mas foi muito difícil. Não fiz um bom progresso como trepador no ano passado.

E o que conseguiu, de melhor, no ciclismo até agora?

“Juntar-me à equipa UAE Emirates! Depois dos tempos de júnior, em que ganhei tudo, por isso guardei boas lembranças de todas as corridas”.

PUB
TrekFest 2024

Imagem UAE Emirates Twitter

Também vais gostar destes!