A primeira etapa alpina da Volta a França do Futuro, entre Meribel ao Col de La Loze, não correu bem aos corredores portugueses. O melhor da seleção lusa, Gonçalo Tavares, terminou apenas na 36.ª posição, a 9.54 minutos do vencedor, o mexicano Isaac del Toro.

PUB
Cube Stereo ONE

O sul-americano impôs-se na subida final da sexta jornada da competição, com apenas 68,5 quilómetros, mas montanhosos, batendo Matthew Riccitello, dos Estados Unidos, na segunda posição e a um segundo do vencedor, assumindo assim o primeiro lugar na classificação geral. O terceiro foi o italiano Davide Piganzoli, a 29 segundos.

Lucas Lopes, que foi o segundo melhor luso, no 39.º posto, com o mesmo tempo de Gonçalo Tavares. António Morgado foi 43.º, a 11, seguindo-se Alexandre Montez, 56.º, a 13,25, Diogo Gonçalves, 82.º, a 18,17, e José Bicho, 132.º, a 25,24.

Matthew Riccitello é o novo camisola amarela, com 25 segundos de vantagem sobre Davide Piganzoli e 26 sobre Isaac del Toro.

Gonçalo Tavares é o 27.º na geral, a 10,45 m, antecedendo na classificação António Morgado, 32.º, a 12,22, Alexandre Montez, 39.º, a 14.01, Lucas Lopes, 75.º, a 28,56, Diogo Gonçalves, 98.º, a 37,32, e José Bicho, 128.º, a 53,07.

A sétima etapa, hoje, divide-se em dois setores, sendo o primeiro uma cronoescalada de 11 quilómetros entre Montricher-Albanne e Les Karellis. O setor vespertino tem 69,6 quilómetros, entre Les Karellis e o Col du Mont Cenis, uma tirada curta, mas com três subidas pontuáveis e de grau crescente de dificuldade.

Lê também:

Guia da Vuelta 2023: as equipas, os protagonistas e as etapas

PUB
TrekFest 2024

Imagens: Volta a França do Futuro Twitter

Também vais gostar destes!