Com o início da temporada de corridas de 2022 dentro de poucos dias, a União Ciclista Internacional (UCI) prepara regras rígidas para mitigar os riscos da covid-19. As esperanças de uma temporada mais “normal” com o advento de vacinas eficazes desfizeram-se com o aumento exponencial de casos em toda a Europa causados ​​pela variante Omicron, mais infeciosa.

PUB
Prototype

A UCI atualizou as regras anteriores impostas antes da ampla disponibilidade de vacinas e, enquanto as taxas de infeção permanecerem altas, espera ver os corredores distanciados entre si nos pódios, usando máscaras e os próprios vestindo as camisolas das diversas classificações.

Foto Vincent Kalut/PN/BettiniPhoto

As medidas serão aplicadas à maioria das competições de estrada regulamentadas pela UCI e, onde houver restrições locais, a mais rigorosa das duas será aplicada. O mesmo é dizer que os corredores devem cumprir as medidas aprovadas pelo Parlamento francês na última segunda-feira, que exige que sejam vacinados para participar em corridas naquele país, onde a temporada começa com o Grand Prix Cycliste de Marseille ‘La Marseillaise’, em 30 de janeiro.

Outras corridas de início de temporada também são afetadas por decretos locais – apenas estrangeiros vacinados podem participar no Saudi Tour (Tour da Arábia Saudita) de 1 a 5 de fevereiro, e o Tour dos Emirados (20 a 26 de fevereiro) exige que os estrangeiros tenham as vacinas e doses de reforço recentes.

As regras da UCI reativam todas as medidas ‘não farmacêuticas’ contra a covid-19 que foram implementadas em 2020: uso de máscaras, higienização de instalações, exigência de testes PCR e muito mais, devido à variante Omicron.

Foto Stuart Franklin/Getty Images

PUB
Beeq

A UCI lançará um ‘Passe de Saúde UCI’ e espera convencer as equipas com baixas taxas de vacinação a inocular todos os corredores. De acordo com uma apresentação da UCI em dezembro, 97% dos membros do Women’s WorldTeams, 86% dos membros do ProTeam e 79% dos membros do WorldTeam foram vacinados.

Um corredor teria direito ao Passe dentro de uma semana a quatro semanas após completar o processo de vacinação com qualquer uma das vacinas autorizadas na Europa: as vacinas Comirnaty da Pfizer, Spikevax da Moderna, as vacinas Johnson & Johnson/Janssen, AstraZeneca Vaxseveria ou Novovax Nuvaxovid, ou uma vacina semana após uma infeção por covid-19 confirmada por PCR.

As regras não exigem que as pessoas sejam vacinadas: o Passe de Saúde pode ser concedido com comprovação de um teste PCR negativo nas 48 horas que antecedem a participação numa corrida, mas deve ser repetido a cada 10 dias. Para grandes voltas, os resultados dos testes negativos devem ser apresentados antes da partida para cada etapa, independentemente do estado de vacinação, e o rastreio para covid-19 continuará a ocorrer nos dias de descanso. A UCI sugere que a coleta de amostras através da saliva é aceitável, o que significa que deixade ser necessárias zaragatoas no nariz.

As multas por violação das regras variam de 1000 a 10.000 francos suíços.

Equipas preparadas para cumprir

PUB
Orbea Genius Dealers

Os corredores e as equipas dizem-se preparados para cumprirem os requisitos. O porta-voz da Jumbo-Visma, Ard Bierens, garante que a participação da formação neerlandesa em corridas francesas está acautelada.

O médico da QuickStep-AlphaVinyl, Toon Cruyt, disse que a equipa belga “apressou-se nos últimos meses e vacinou todos os corredores e funcionários para a campanha de Clássicas pela segunda vez”.

Greg Van Avermaet (AG2R Citroën) que supostamente também esperará até depois das clássicas para receber a dose de reforço esclarece que teve covid-19 em novembro e recebeu as duas doses em maio.

Foto Luc Claessen/Getty Images

“Se eu não tivesse ficado doente, já teria tomado o reforço”, disse o corredor belga. “Sou definitivamente a favor da vacinação, não quero que ninguém pense que sou algum tipo de Djokovic”, disse, referindo-se ao tenista Novak Djokovic, que foi deportado da Austrália por se recusar a ser vacinado.

Embora as taxas de vacinação sejam, em média, elevadas na maioria das equipas, a apresentação da UCI disse que há alta discrepância entre as mesmas. Num inquérito a equipas realizado entre outubro e novembro de 2021, algumas estavam com taxas de vacinação de 40%. No entanto, a maioria deve atender aos requisitos: três quartos das equipas têm mais de 80% de seus membros vacinados.

Foto principal: Getty Images

PUB
KTM E-Bikes BTT

Também vais gostar destes!