Que as transmissões Shimano de 12 velocidades estão a mostrar-se cada vez mais completas no BTT não é novidade… Esta tecnologia é partilhada por grupos de alta e média gama, deixando outras soluções com menos relações para gamas mais baixas, que prezam mais a questão dos preços baixos.

PUB
Mondraker Raze

São quatro os conjuntos de transmissão Shimano com 12x, o que compõe uma extensa gama e chega a um amplo espetro de utilizadores. E, ainda que todos queiramos ter sempre o que há de melhor (leia-se XTR…), temos de reconhecer que o preço mais elevado, quer seja na compra de uma bicicleta nova, quer seja na substituição da transmissão, faz com que outras opções do catálogo Shimano sejam verdadeiros best sellers. E com boas prestações, como sabemos.

Neste artigo (que está dividido em duas partes, esta é a primeira) temos como objetivo detalhar por completo as quatro transmissões mais utilizadas e conhecidas da Shimano, todas nas versões 1x12. E atenção que estes artigos não são testes ou reviews propriamente ditas, ainda que já tenhamos experimentado já todos estes grupos em bicicletas de 2022.

As quatro conjuntos de transmissão são o “todo poderoso” Shimano XTR, o equilibrado XT, o “recheado” SLX e o mais acessível Deore. Em dois especiais tentamos apresentar o máximo de dados possível: tecnologias, pesos, preços, características… Componente a componente!

O nosso objetivo é que tenhas uma visão ampla de tudo o que existe no catálogo da marca japonesa neste segmento, para que possas escolher e/ou fazer upgrades de forma informada. E para que saibas o que terás pelas frente quando chegar a hora de fazer a manutenção e ou a revisão…

Então, nesta primeira parte focamo-nos nos conjuntos mais acima na gama, o XTR e o XT.

Pedaleiro: XTR M9100/9120 e XT M8100/8120

Até hoje, a Shimano confiou o fabrico dos seus pedaleiros de gama média-alta ao alumínio e à tecnologia HollowTech II (são ocos!), com um peso muito ajustado. Ambos os acabamentos têm alguns pedaleiros “padrão”, digamos assim, os XTR M9100 e os XT M8100 e outras de corte de enduro, os XTR M9120 e os XT M8120…

PUB
Lapierre XR

Pedaleiro XTR M9100.

 

No caso dos XTR, o fator Q dos M9100 é um pouco menor do que dos M9120 (162 contra 168 mm) dando aos primeiros prestações puras e aos segundos uma resistência elevada. Isto implica um peso maior no M9120 do que no M9100 (540 contra 531 gramas, ambas as opções com pratos 32t).

Pedaleiro XT M8100.

O preço dos pedaleiros XTR (M1900 e M9120), sem prato, é de pelo menos 439 euros. Os pratos disponíveis neste acabamento vão dos 30 aos 38t e o preço ronda os 185 euros.

Experimentámos o pedaleiro XTR na BH Lynx Race Evo Carbon 9.5.

Nos pedaleitos XT passa-se o mesmo, com duas versões (M8100 e M8120): mais XC ou mais enduro… Os pedaleiros M8100 têm um fator Q de 172 mm e os M8120 de 178 mm. A abordagem é menos virada para a competição do que os modelos XTR. O peso dos M8100 é de 620 gramas e dos M8120 de 628 gramas (ambos com prato 32t).

Os pedaleiros XT estão em vários modelos que já experimentámos, como é o caso da KTM Scarp Master.

O preço dos pedaleiros XT é de 169 euros sem prato, sendo que este vai de 28 até 36t e tem um custo de 87 euros, aproximadamente.

Conclusão: a gama XTR, além de ter acabamentos mais elaborados, tem um foco mais competitivo, com menores registos de fator Q e pesos mais ajustados (diferença de 100 gramas, dependendo das versões). Mas o preço é claramente superior: só o prato XTR custa mais 100 euros que o XT… E o pedaleiro pode custar até 280 euros mais.

Desviador traseiro: XTR M9100 e XT M8100

Desviador traseiro XTR SGS.

Neste caso, o desviador XTR vem nas opções de caixa média GS (para cassetes 10-45t) e caixa longa SGS (10-51t). Existe um acabamento M9120, mas é dirigido a transmissões 2x…

O peso do M9100 é bastante ajustado (237 gramas) e conta com as habituais tecnologias da marca: a Shadow RD+ é um estabilizador da caixa, para que esta oscile com as imperfeições do terreno. Uma pequena alavanca desativa-o para permitir trabalhos de manutenção. O preço deste desviador anda pelos 286 euros, eventualmente.

Desviador traseiro Shimano XTR da Trek E-Caliber 9.9 XTR 2022.

Quanto ao acabamento XT, é igual ao do desviador XTR: existem duas versões do M8100, a GS (caixa média) e a SGS (caixa longa), com as mesmas opções de cassete e a mesma tecnologia Shadow RD+. O peso neste caso é de 284 gramas e o preço de ambas as versões poderá rondar os 129 euros.

Desviador traseiro Shimano XT SGS.

Conclusão: poucas são as diferenças entre a série XTR e a XT quanto às prestações do desviador traseiro, pelo que já percebemos testando algumas bicicletas, já que têm as mesmas tecnologias e pesos semelhantes… E são quase 160 euros de diferença…

Desviador traseiro Shimano XT na Canyon Spectral 125 testada recentemente…

Manípulo: XTR SL M9100 e XT SL M8100

Manípulo Shimano XTR SL M9100.

O manípulo que aciona o desviador traseiro da série XTR, tal como acontece na série XT, está disponível com encaixe I-Spec EV, que é a versão que está integrada na manete de travão da direita.

Também está disponível com o encaixe padrão através de grampo que “abraça” o guiador, é certo. O sistema de acionamento é o característico RapidFire Plus e o sistema 2 Way-Release: cómodo, pois pode ser ativado pressionando ou puxando a alavanca.

Manípulo Shimano XT SL M8100.

Em ambos os acabamentos podem ser acionadas até quatro velocidades com uma só pressão… S sistema construtivo é diferente: o XTR tem quatro pares de rolamentos e o XT dois, assegurando um “trabalho” mais fluido no XTR. Os pesos são muito parecidos (112 gramas o XTR e 120 gramas o XT). Os preços andam pelos 139 euros para o XTR e 69 euros para o XT…

Conclusão: há demasiada diferença de preço para o que permite fazer cada um deste manípulos, um componente que está sempre dependente do que é capaz de fazer o desviador. O XTR tem um funcionamento mais suave e fluido, mas o XT funciona na perfeição. O estado da cassete também importa, aqui.

Cassete Hyperglide+: XTR M9100 e XT M8100

Tanto a versão XTR como a XT estão disponíveis com duas cassetes diferentes: 10-45t e 10-51t. No caso do XTR, os três carretos grandes são de alumínio, os cinco seguintes são de titânio e os quatro últimos de aço. O peso é de 357 gramas para cima (10-45d) e o preço é de 389 euros na maior parte dos sítios.

Cassete Shimano XTR M9100 10-51t.

No caso do XT, os dois carretos grandes são de alumínio e o resto de aço. Isto faz com que o peso aumente um pouco face ao XTR: desde 461 gramas (10-45d). O preço médio é de 129 euros, se bem que há que ter em atenção um ponto em todos os preços que colocamos neste artigo: a “escalada” de preços recentes das matérias primas pode fazer com que estes valores oscilem quase diariamente…

Cassete Shimano XT M8100 10-51t.

As tecnologias Hyperglide+ (um design próprio dos carretos com o objetivo de facilitar a engrenagem das mudanças) e Microspline (um hub específico para aceitar o carreto mais pequeno 10t) estão disponíveis em ambos os acabamentos.

Conclusão: os materiais empregues no XTR pressupõe um melhor envelhecimento desta cassete em comparação com o XT, bem como um peso 100 gramas menor. E o preço a pagar são quase 200 euros a mais…

Bottom bracket: XTR BB93/BB94 e XT MT800/MT800P

No que diz respeito ao bottom bracket, ou movimento pedaleiro, em ambos os acabamentos existem opções de pedaleiros roscados (68/73 mm) ou Press Fit (89,5/92 mm) e sempre para o diâmetro padrão dos eixos da Shimano: 24 mm.

Este é outro componente que tem ser substituído com o tempo, sendo que os pedaleiros XTR levam rolamentos mais pequenos que os XT. Isto permite, segundo a marca, um rodar mais fluido… O peso dos movimentos pedaleiros da série XTR vão desde os 58 gramas e da série XT desde os 68,2 gramas.

Movimento pedaleiro Shimano XTR BB-94.

O preço para os movimentos pedaleiros XTR pode chegar oas 62 euros para a versão roscada (BB93) e aos 54 euros para a Press Fit (BB94). No caso da série XT, o preço pode ser de 35 euros para a roscada (MT800) e de 32 euros para a Press Fit (MT800P).

Conclusão: num componente em que o peso é insignificante entram em jogo outros parâmetros, como o melhor funcionamento e a durabilidade. A série XTR é sempre um valor seguro e a diferença no preço em relação à XT, embora “acusável”, não é considerável.

Corrente: XTR CN M9100 e XT CN M8100

Ambas as correntes contam com características comuns, como o sistema de melhoria de engate e retenção Dynamic Chain Engagement+, ao qual a corrente XTR CN M9100 adiciona o tratamento Sil-Tec, algo que traz mais durabilidade, garante o fabricante.

Corrente XTR CN M9100.

A diferença de peso, num componente tão leve, não é grande: a XTR pesa 242 gramas e a XT 252 gramas (com 126 elos). E os preços rondam os 78 euros para a XTR e os 51 euros para a XT.

Corrente XT CN M8100.

Conclusão: a corrente é, com certeza, o componente mais substituído ao longo do tempo. A série XTR assegura uma maior durabilidade, embora com um acréscimo de 27 euros, pelo menos… Mas também estes não são valores astronómicos, por isso o lógico seria experimentares as duas e veres qual dura mais e traz um funcionamento mais eficaz.

Vídeo oficial do grupo de transmissão Shimano XTR:

XTR M9100, Up For Whatever You Ride | SHIMANO

Vídeo oficial do grupo de transmissão Shimano XT:

Shimano's 12-Speed DEORE XT M8100 | SHIMANO

A 2ª parte deste especial será publicada ainda esta semana e fala sobre as outras duas gamas de transmissão da Shimano, nestes casos as mais baratas: SLX e Deore. E inclui ainda as nossas conclusões gerais sobre o tema!

Mais info:

PUB
First Bike

Estás a gostar do GoRide.pt?

Então subscreve a Newsletter GoRide.pt clicando/tocando na imagem abaixo!

NEWSLETTER GORIDE.PT Newsletter GoRide.pt

GoRide Team
Toda a GoRide Team alimenta este site como se não houvesse amanhã :) Damos preferência a tudo o que envolver diversão em cima de uma bike!

Também vais gostar destes!

Mais em Componentes