Dia de muito ciclismo e com um português em destaque. Depois de mais de quatro meses sem corridas, este sábado foi um muito positivo para a Bélgica, teve mais uma exibição de luxo da campeã do mundo, em França as bicicletas também já estão na estrada e João Almeida alcança o seu primeiro pódio na época de estreia no World Tour.

Inevitavelmente começa-se pelo jovem português, o campeão nacional de sub-23 em fundo e contrarrelógio e que não só arranca elogios da equipa, como já é cada vez mais falado no mundo ciclismo. Depois de mostrar muito potencial nos dois anos na Hagens Berman Axeon (venceu inclusivamente a Liège-Bastogne-Liège de sub-23), agora está a provar porque há muito que estava a ser seguido pela Deceuninck-QuickStep.

A seu lado tem Remco Evenepoel, a máquina belga que venceu a terceira corrida por etapas de 2020… em três que disputou. E foi a segunda que tem o português como um aliado essencial.

João Almeida repetiu na Volta a Burgos a grande exibição da Volta ao Algarve. Em fevereiro, foi muito importante na vitória na geral de Remco Evenepoel, tendo o português fechado nono, além do segundo lugar da juventude, atrás precisamente do companheiro da Deceuninck-QuickStep.

Neste regresso do ciclismo, esta dupla está a ganhar respeito. No primeiro dia, João Almeida até foi melhor que Evenepoel, fechando na segunda posição, a oito segundos do que poderia ter sido a sua primeira vitória ao mais alto nível. Nesse dia, Evenepoel foi 10º, mas com o mesmo tempo do português. O austríaco Felix Grossschartner (Bora-Hansgrohe) foi o vencedor nesse primeiro dia de Volta a Burgos.

Evenepoel partiu para mais uma exibição de luxo nas etapas seguintes, vencendo uma e este sábado, na derradeira, com um difícil teste a fechar em Lagunas de Neila, Evenepoel perseguiu Mikel Landa (Bahrain-McLaren) que teve de se contentar com o segundo posto na geral, a 30 segundos do jovem talento.

Joâo Almeida esteve ao lado do seu líder até perto do final. O quarto lugar na etapa – ganha por outro jovem talento, mas colombiano, Iván Sosa (Ineos) -, valeu a subida ao terceiro posto na geral. Que bem que lhe ficou.

Apesar da vitória de Evenepoel, a própria equipa reagiu num twit à performance de “guerreiro” português, que quarta-feira celebra 22 anos.

Quanto a Evenepoel, começou o ano a ganhar na Argentina, na Volta a San Juan, viajou para o Algarve para repetir a dose e agora venceu em Espanha e sempre a conquistar, além da geral, também etapas.

Vê aqui a classificação completa da Volta a Burgos, via ProCyclingStats.

Mais uma vitória belga, mas na Strade Bianche

A famosa clássica italiana, marcada pelo chamado “sterrato”, assinalou o regresso do calendário World Tour à estrada. A 14ª edição teve mais uma vez espectáculo e um ciclista finalmente venceu, depois de dois pódios consecutivos: Wout van Aert.

© Strade Bianche

O belga da Jumbo-Visma tinha como um objetivo na carreira vencer a Strade Bianche, uma corrida que tão bem lhe assenta, não fosse ele um campeão do mundo de ciclocrosse. Há pouco mais de um ano, Van Aert sofreu um acidente na Volta a França, ao chocar com uma barreira no contrarrelógio. Ficou gravemente ferido e muitas dúvidas houve sobre a sua total recuperação.

Porém, aqui está um Van Aert forte na retoma das corridas e a vencer nas clássicas, depois de em 2020 ter-se destacado com triunfos no contrarrelógio e até ao sprint. O belga atacou no último setor de “sterrato”, a cerca de 12 quilómetros do final e deixou a 30 segundos o italiano Davide Formolo (UAE Team Emirates) e a 32 Maximilian Schachmann (Bora-Hansgrohe). Este último foi o vencedor do Paris-Nice, última corrida antes da paragem da competição. Foi ainda segundo na Volta ao Algarve.

Rui Costa (UAE Team Emirates) foi o único português em prova, fechando na 39ª posição, a 19:27 minutos de Van Aert. Podes ver aqui a classificação completa, via ProCyclingStats.

Quem pára a campeã do mundo?

© Strade Bianche

Por um lado, 2020 está a ser um ano com poucas razões para recordar, por outro há quem torne cada oportunidade de sucesso numa vitória e faça deste ano algo até com boas razões para celebrar. É o caso de Annemiek van Vleuten.

A campeã do mundo está imparável. Cinco corridas, cinco vitórias, todas clássicas. A holandesa da Mitchelton-Scott – de 37 anos – bateu toda a concorrência na Strade Bianche. A espanhola Mavi Garcia (Alé BTC Ljubljana) cortou a meta 22 segundos depois e a americana Leah Thomas (Équipe Paule Ka) ficou a 1:53 minutos.

Neste link está a classificação completa.

Uma vitória francesa

© Route d’Occitanie

Em França arrancou a Route d’Occitanie, num pelotão com Chris Froome e Egan Bernal, os líderes da Ineos que tanto se vai falar no próximo Tour. Porém, a primeira etapa foi para os sprinters e ficou em casa.

Bryan Coquard conquistou um triunfo importante para a B&B Hotels-Vital Concept p/b KTM, equipa do segundo escalão, que este ano conseguiu finalmente um convite para o Tour e que está desejosa de colocar o seu sprinter no topo, quando a grande volta chegar.

Coquard bateu Elia Viviani (Cofidis) e Sonny Colbrelli (Bahrain-McLaren). Classificação completa neste link.